4/08/2017

DOMINGO DE RAMOS

BENDITO AQUELE QUE VEM EM NOME DO SENHOR! (MT 21,1-12)

Neste primeiro dia da Semana Santa, com certeza não há comunidade no Brasil que não celebre, com muito entusiasmo, a comemoração da entrada de Jesus em Jerusalém.  Organizam-se caminhadas e encenações, e muitas pessoas fazem questão de levar alguns ramos abençoados para a casa.
Porém é muito importante resgatar o verdadeiro sentido da entrada de Jesus em Jerusalém, para que possamos celebrar a festa com mais profundidade. O próprio Evangelho de Mateus nos dá uma dica, quando no v. 5 cita o profeta
Zacarias. Pois Jesus, escolhendo entrar na capital desta maneira, estava fazendo uma releitura de Zacarias 9,9-10. O profeta (conhecido como Segundo Zacarias, pois os capítulos 9-14 do livro são pós-exílicos) vivia numa situação de grande opressão e pobreza, quando a Palestina e o seu povo eram dominados pelo Império Grego, depois de Alexandre Magno. O profeta procura animar o seu povo oprimido, manter viva a chama de resistência através da esperança na chegada de um Messias libertador. Ele teria três grandes características: seria rei (9,9-10), bom pastor (11,4-17) e “transpassado”(12,9-14).

Portanto, quando Jesus e os seus discípulos fizeram a sua entrada em Jerusalém, era uma maneira forte de proclamar a chegada do Messias, do Rei esperado pelos pobres de Javé. Era gesto profético de esperança, algo tão necessário no ministério das Igrejas hoje, infelizmente muito marcadas pela ameaça, frequentemente com mais enfâse sobre o mal do que sobre o bem, de uma suposta dominação de “demônios” e não pela certeza da vitória da graça e da redenção.
Mas o rei anunciado por Zacarias e realizado em Jesus era bem diferente dos
reis dos países de então. Enquanto estes faziam questão de apresentar-se publicamente com toda a pompa, montados sobre cavalos imponentes, o rei esperado por Zacarias iria entrar em Jerusalém montado em um jumento – o animal do pequeno agricultor. Pois o seu reino seria, não de dominação, opulência e opressão, mas de paz, de justiça e de solidariedade: “Dance de alegria, cidade de Sião; grite de alegria, cidade de Jerusalém, pois agora o seu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montado num jumento, num jumentinho, filho duma jumenta. Ele destruirá os carros de guerra de Efraim e os cavalos de Jerusalém; quebrará o arco de guerra.  Anunciará a paz a todas as nações, e o seu domínio irá de mar a mar” (Zc 9,9).
A entrada em Jerusalém de Jesus era verdadeiramente uma entrada triunfal – mas do triunfo de Deus, do Messias dos pobres e justos, bem como uma viravolta nos valores da sociedade. Era a rejeição dos valores opressivos dos reinos mundanos e, ao mesmo tempo, era a celebração de Javé, o Deus libertador que “ouve o clamor dos pobres e sofridos” (cf. Ex 3,7). Celebrar a memória deste evento no Domingo de Ramos deve levar-nos a um compromisso maior com a construção de um mundo de paz verdadeira, fruto de justiça, partilha e solidariedade. Quando falamos da entrada triunfal, lembremo-nos que ela é o triunfo da fraqueza de Deus, de sua Cruz, do seu projeto do Reino, pois como disse Paulo, “a loucura de Deus é mais sábia do que os homens, e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens”(1Cor 1,25). Cuidemos de não
transformar a celebração litúrgica em folclore, centrada na figura do celebrante, glorificando o poder e a dominação, fazendo o que fizeram em Jerusalém, conforme o hino: “Queriam um grande Rei que fosse forte, dominador e, por isso, não creram nele e mataram o Salvador”.  A celebração de Domigo de Ramos é realmente uma vitória, mas uma vitória que vem de fidelidade ao projeto de Deus, no seguimento de Jesus até a Cruz e a Ressurreição.
Evitemos criar uma caricatura de Jesus como Rei poderoso, conforme os padrões da nossa sociedade, e procuremos recuperar a finalidade da ação profética de Jesus, isto é, reacender a esperança das pessoas excluídas, marginalizadas, pobres e oprimidas, assumindo cada vez mais ações concretas na busca da construção da “Terra Sem Males”.  É um desafio muito grande para quem tem qualquer ministério de liderança nas Igrejas, ordenado ou não, pois o nosso modelo é o “anti-rei”, Jesus de Nazaré, e não as autoridades pomposas deste mundo.
Tomaz Hughes


Nenhum comentário:

Postar um comentário